- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Cedo

Manuela de Freitas / Fernando Alvim
Repertório de Cristina Branco

Ruas desertas, águas paradas
Feridas abertas, portas fechadas

Cidade antiga, minha cidade
Que queres que diga se já é tarde

Neste degredo triste e sombrio
O teu segredo, quem o ouviu
Dizes que é cedo, mas tenho medo e sinto frio

Rua das trinas, ao longe o rio
Escadas e esquinas, um assobio
Velhas, meninas, com tristes sinas num bar vazio

Lixo no cais, o casario
Coisas banais, um cão vadio
Desço a calçada, não penso em nada e sinto frio

Jornais, revistas, truques e manhas
Vagos turistas, chuva e castanhas

Ouve-se um canto triste e cansado
Parece um pranto, dizem que é fado

Rua do ouro, chego ao Rossio
Não sei se choro, não sei se rio
Subo a avenida, estou tão perdida, está tanto frio

Cidade antiga, dizes que é cedo
Que queres que te diga se não te entendo
Mas vou ouvindo e repetindo, mesmo não crendo

Até que cedo, minha cidade
Sem frio nem medo, que Deus te guarde
Com teu segredo, contigo aprendo, que nunca é tarde