- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cedo

Manuela de Freitas / Fernando Alvim
Repertório de Cristina Branco

Ruas desertas, águas paradas
Feridas abertas, portas fechadas

Cidade antiga, minha cidade
Que queres que diga se já é tarde

Neste degredo triste e sombrio
O teu segredo, quem o ouviu
Dizes que é cedo, mas tenho medo e sinto frio

Rua das trinas, ao longe o rio
Escadas e esquinas, um assobio
Velhas, meninas, com tristes sinas num bar vazio

Lixo no cais, o casario
Coisas banais, um cão vadio
Desço a calçada, não penso em nada e sinto frio

Jornais, revistas, truques e manhas
Vagos turistas, chuva e castanhas

Ouve-se um canto triste e cansado
Parece um pranto, dizem que é fado

Rua do ouro, chego ao Rossio
Não sei se choro, não sei se rio
Subo a avenida, estou tão perdida, está tanto frio

Cidade antiga, dizes que é cedo
Que queres que te diga se não te entendo
Mas vou ouvindo e repetindo, mesmo não crendo

Até que cedo, minha cidade
Sem frio nem medo, que Deus te guarde
Com teu segredo, contigo aprendo, que nunca é tarde