- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Verso e reverso

Letra de Gabriel de Oliveira
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*


Um gajo p’ra ser fadista
Precisa golpe de vista
Gingar e ser tatuado
Provocar, ser desordeiro
Conhecer o Limoeiro
E ter amantes no fado

Deve beber e jogar
Ser leve para riscar / E saber falar calão
Conviver com a canalha
Usar sempre uma navalha / E saber ’stender a mão

Deve trajar a rigor
Cantar e fazer furor / Nos tascos mal afamados
Conseguir dar os bons dias
Fazer tremer os rufias / Nos bairros afadistados

Palavras d’alguns senhores
Armados em detractores / Para o fado abandalhar
Quando um fadista, afinal
Tem altivez e moral / Porque vive a trabalhar

Que importa a vida boémia
Se é no destino irmã gémea / De quem tem bom coração
Cada um tem o seu fado
E um fadista bem formado / Não é nenhum rufião