- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Santo Condestável

João Bettencourt / Pedro Rodrigues-Henrique Lourenço *fado cigana*
Repertório de António de Noronha

Estava o reino dividido
E o povo já rendido
À voragem do assalto
Sentiam-se as ameaças
E no coração das praças
A traição falava alto

Nun’Álvares o cavaleiro / Do Alentejo fronteiro
Com prontidão e ardor
Prepara os da sua guarda / Para a batalha que tarda
Nas hostes do seu senhor

Ele é a força que arrasa / O sentimento que abrasa
A coragem que inebria
Viessem nações inteiras / Desvairadas e guerreiras
Nada e ninguém o vencia

Conhece a voz que o chama / E responde, porque ama
A nobreza do seu estado
Reza entre espadas e adagas / Comanda mas cura as chagas
Dos que sofrem a seu lado

À Virgem pede um abrigo / Como se fosse um mendigo
Ou um pobre de pedir
A alma é o seu tesouro / Reparte terras e ouro
Como alguém que vai partir

E parte para o convento / A ouvir na voz do vento
O que Deus lhe quer dizer
No Carmo guarda portão / Com o burel da oração
É assim que vai viver

E é assim que o vemos / E é assim que o temos
No altar da Santidade
Condestável do que fomos / Condestável do que somos
À porta da eternidade