As 5.205 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Novo fado da sina

João Gigante Ferreira / Jaime Mendes *fado da sina*
Repertório de Helena Sarmento

Há no céu estrelas inúteis e belas / Luzes de ninguém
Vogando perdidas da luz sentinelas / Portas do Além
Luzes tão distantes / Segredos de amantes / De beijos furtivos
Dão sombra ao pecado / De corpos no fado / Dos cinco sentidos

E se pela manhã no render do cansaço / Elas vão embora
O braço no braço o nó do abraço / Marca de novo a hora
Já que o Amor assim quis / A tua sina te diz
Que até morrer / Terás de querer / Ser sempre feliz

Futuro
Esse vento inconstante
De repente um instante
Que o presente não ensina
Tu podes mentir
Falar das linhas da mão
Mas ai, quer queiras quer não
Tens de escrever a tua sina

À hora marcada / A tarde vencida / Estrela cadente
De novo esta luz / De dois corpos nus / Depois do poente
Amor que a rotina / De amor os domina / E amarra perdidos
Os dois ancorados / No cais dos deitados / Dos cinco sentidos

E quando as estrelas descidas da noite / Caírem na rua
À procura da vida que os amantes habita / Com ecos de lua
E das sombras saírem cores / E o grito que não se ensina
É outra a luz / Que as seduz: / Amor como sina

Presente
Esse feitiço do tempo
Tudo num só momento
Que o futuro não domina
Tu podes mentir
Falar das linhas da mão
Mas ai, quer queiras quer não
Tens de escrever a tua sina