- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Por ti aceito

Fernando Campos de Castro / Francisco Mendes
Repertório de Mónica de Jesus

Aceito... por ti aceito esta mágoa
Nos meus olhos rasos de água
Que há tanto tempo persiste
Aceito que voltes já fora de horas
Porque sei que se demoras
Também sei que não partiste

Aceito... por ti aceito este fado
Este silêncio magoado
E posso até perdoar-me
Aceito esta dor que há no meu peito
Mas amor só não aceito
Que voltes a enganar-me

Eu sinto por ti o mesmo de outrora
E se duvidas agora
Não sei mais o que dizer
Talvez seja o destino que queira
Que eu viva doutra maneira
E acabe por te esquecer

Aceito... que na cama do meu sono
Tu sejas puro abandono
Dos sonhos que já sonhei
Aceito que tudo agora é diferente
Mas não dês impunemente
O grande amor que eu te dei