As 5.156 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


A todos o que é de todos

Fernando Farinha / Carlos da Maia *fado perseguição*
Repertório de Fernando Farinha 

Sempre que me vou deitar
Antes do sono me dar
Trago o mundo à minha mente;
E sem sabê-lo entender
Sofro por ele não ser
Igual para toda a gente

E perante tal visão / Que me aperta o coração
Choro quem, por mal estranho
Cumpre uma sina daninha / Sem ter cama como a minha
E uma casa como eu tenho

Sempre que à mesa me sento / Na hora em que me alimento
Logo a ideia me salta
Que embora simples manjar / Estou eu a saborear
Aquilo que a muitos falta

Neste mundo sem sentir / Não deviam existir
Situações tão desiguais
Nem grandes mem tão pequenos / Nem tantos terem de menos
Nem outros terem demais

Onde está o nosso Deus / Que é p’lo bem dos filhos seus
Que não quer fome nem guerra
Porque andará Deus assim / Tão esquecido, sem por fim
Às desgraças que há na terra

Ó Deus se és tão milagroso / Põe no mundo ambicioso
A tua divina mão
Traz à terra o doce bem / De não faltar a ninguém
Casa, paz, amor e pão