- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.170 LETRAS PUBLICADAS // 1.930.000 VISITAS // OUTUBRO 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que nao constam do índice.

Caso encontre alguma avise-me, por favor.

Se não encontra o Fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

Marcha da Madragoa 1980

Jorge Rosa / Fontes Rocha
Repertório de Maria da Fé


Ainda Lisboa sonha e dorme a sonho solto
E o luar passeia envolto
No seu manto de mil estrelas
A Madragoa, já toda ela se agita
Airosa, fresca, bonita
Num bailado de chinelas

Ainda o galo não canta o seu bom dia
Já o meu bairro á porfia
Trabalha de que maneira
É um regalo ver cortejos de varinas
Descendo a Rua das Trinas
A caminho da Ribeira

Madragoa, chinela no pé / Jeito de maré, p’ra cá e p’ra lá
Madragoa, canastra á cabeça / Ligeira na pressa que a vida lhe dá
Madragoa, festiva gaivota / Que grita na lota, que canta e apregoa
Madragoa, salgada e ladina / Vistosa varina, cartaz de Lisboa

A Madragoa que canta desde menina
Cantigas que o mar ensina
Com o mar dança também
Doa a quem doa, é dos bairros a rainha
E a coisa mais alfacinha
De quantas Lisboa tem

E se abençoa a fé dos seus monumentos
Pois igrejas e conventos
Dão-lhe fé e caridade
Á Madragoa não falta desde criança
Toda a virtude da esperança
Que é a esperança da cidade