- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Santo António traiçoeiro

Teresinha Landeiro / Alfredo Mendes *fado fininho*
Repertório de Teresinha Landeiro

Eu sempre quis um santo pra meu par
António foi por quem me apaixonei
De santo tinha o nome e o olhar
Abençoado o dia que o encontrei

Um dia fui às festas populares
Lisboa festejava o Santo António
Comprei uns manjericos singulares
E em dois rimava António com demónio

Então vi o meu par no bailarico
Dançava junto dela na igreja
Daí estar escrito no meu manjerico
Não é o António o santo que se deseja

E foi no baile que o meu coração
Parou ao ver tão falsa santidade
Pedi a Santo António um João
E que fosse esse um santo de verdade

De novo perguntei ao manjerico
Que quadra me havia de calhar
E a rima disse não ao namorico
Pois nela, o João vai me enganar

Andava por Alfama a vaguear
Coberta de tristeza e solidão
Talvez houvesse um Pedro pra casar
Que não fosse parecido ao tal João

Juntei todas as rimas populares
E então me apercebi do pandemónio
Que o santo casamenteiro dos altares
Criou com o João, o Pedro e o António

Abandonei a festa popular
Subi a São Vicente e confessei
Não quero mais santos pra me enganar
Pra esse peditório eu já dei;
Não quero mais santos pra me enganar
Pois pra esse peditório eu já dei