- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Corpo entorpecido

Letra e música de Pedro Fernandes Martins *Alexandrino da Figueira*
Repertório do autor

Um céu sem fim cinzento, um corpo entorpecido
Ramo despido ao vento em busca de sentido
Um copo meio-cheio, vazio p'la metade
Um corpo sem esteio, sofrendo de saudade

Um céu que vai girando em nuvens cinza-frio
Um vale que vai chegando ao fundo do seu rio
De vez em quando espreita, por entre a tarde parda
Uma estrela desfeita que insiste em estar de guarda

Folhas mortas e cruas, rasgadas no jardim
São só saudades tuas que não saem de mim
Do corpo entorpecido que se deixa ficar
Em busca de sentido, verdade, sorte e azar