- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Mariquinhas.com

Vasco Graça Moura / Paulo de Carvalho
Repertório de Carlos do Carmo


A quem quer pintar o sete
À moda dos alfacinhas
Dá bem mais do que promete
A formosa Mariquinhas


Consta que já reabriu / A Casa da Mariquinhas
E que tem as amiguinhas / Mais lindas que já se viu
Quem o disse, sugeriu / Que se vá ver na internet
O site dela promete / Só meiguices e fosquinhas
E diz mais nas entrelinhas 
A quem quer pintar o sete

Será caro mas é bom / Não vos sei dizer o preço
É este o seu endereço / Mariquinhas ponto com
Tem mobílias de bom tom / E discretas tabuínhas
E até vende camisinhas / Para os encontros brejeiros
Vão lá muitos estrangeiros 
À moda dos alfacinhas

Faz-se em duas ou três linhas / Uma marcação de amor
E se está muito calor / Há no tecto as ventoinhas
Quando chega a Mariquinhas / Com escassa toilett
Logo os corações derrete / Por ser boa rapariga
Não faltando até quem diga 
Dá bem mais do que promete

O progresso é mesmo assim / Hoje não há nada inédito
Usa-se o cartão de crédito / Paga-se antes e no fim
O sabão cheira a jasmim / E as bebidas são fresquinhas
Se é altiva entre as vizinhas / Virtuosa não será
Mas virtual se fez já
A formosa Mariquinhas