- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O salgueiro

Célia Barroca / Luís Petisca
Repertório de Célia Barroca


Ai salgueiro, porque choras
Porque te pões a chorar?
Perdi um amor de mel
Num barquinho de papel
Nas areias deste rio
Eu cravei minhas raízes
Vão-se amores, vão-se mágoas
E venham horas felizes

Sentinela deste Tejo
Sou salgueiro cabisbaixo
Que um salgueiro à borda d’água
Sonha ir p’la água abaixo
Nas areias deste rio
Construí minha cabana
Veio a chuva no inverno
Pintou-me a cama de lama

Ai salgueiro, porque choras
Porque te pões a chorar?
Quem me dera ‘star contigo
Seguro nesse lugar
O salgueiro à borda d’água
Mergulha no pensamento
De ser livre como as aves
De ser livre como o vento