- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado ao Porto

Letra e música de Amélia Muge
Repertório de Sandra Correia

De longe te vejo como um ponto incerto
Que logo ao crescer
Se faz linha de água, forma, mancha, rio
Vestido de escuro

Por dentro das casas
Por baixo da água, submarinamente
Olhamos o fundo
Entramos em casa, somos peixe, limo

Eu vou num barco Rabelo
Por cima da ponte, pertinho do céu
No cais da Ribeira passa a minha sombra
E é na tua água, que eu me vejo ao espelho


Regatos de vida correndo p’las ruas
Espelhadas no rio 
Por dentro da água agitam-se as gentes 
Correndo por ela

Tens as mãos da tarde, os olhos da noite
Sorriso de aurora
E é p’los teus passos, que marcam as ruas
Que eu sei que és cidade, Porto

Sobem p’la garganta, fados impossíveis 
De serem cantados
Dão frescura aos lábios, soam no mercado
E a manhã se espanta

Todos os amores por ti já são rio
São águas de prata
No eterno desejo de estar entre margens
Saudando as aragens