- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Canção do desterro

Letra e musica de José Afonso
Repertório do autor

Vieram cedo, mortos de cansaço
Adeus amigos, não voltamos cá
E o mar é tão grande, e o mundo é tão largo
Maria Bonita, onde vamos morar

Na barcarola canta a marujada
O mar que eu vi não é como o de lá
E a roda do leme, e a proa molhada
Maria Bonita, onde vamos parar

Nem uma nuvem sobre a maré cheia
O Sete-Estrelo sabe bem onde ir
E a velha teimava, e a velha dizia
Maria Bonita, onde vamos cair

À beira de água me criei um dia
Remos e velas lá deixei a arder
Ao sol e ao vento na areia da praia
Maria Bonita, onde vamos viver

Ganho a camisa, tenho uma fortuna
Em terra alheia sei onde ficar
Eu sou como o vento que foi e não veio
Maria Bonita, onde vamos morar

Sino de bronze lá na minha aldeia
Toca por mim que estou para abalar
E a fala da velha, da velha matreira
Maria Bonita, onde vamos penar

Vinham de longe, todos o sabiam
Não se importavam quem os vinha ver
E a velha teimava, e a velha dizia
Maria Bonita, onde vamos morrer