- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canção do desterro

Letra e musica de José Afonso
Repertório do autor

Vieram cedo, mortos de cansaço
Adeus amigos, não voltamos cá
E o mar é tão grande, e o mundo é tão largo
Maria Bonita, onde vamos morar

Na barcarola canta a marujada
O mar que eu vi não é como o de lá
E a roda do leme, e a proa molhada
Maria Bonita, onde vamos parar

Nem uma nuvem sobre a maré cheia
O Sete-Estrelo sabe bem onde ir
E a velha teimava, e a velha dizia
Maria Bonita, onde vamos cair

À beira de água me criei um dia
Remos e velas lá deixei a arder
Ao sol e ao vento na areia da praia
Maria Bonita, onde vamos viver

Ganho a camisa, tenho uma fortuna
Em terra alheia sei onde ficar
Eu sou como o vento que foi e não veio
Maria Bonita, onde vamos morar

Sino de bronze lá na minha aldeia
Toca por mim que estou para abalar
E a fala da velha, da velha matreira
Maria Bonita, onde vamos penar

Vinham de longe, todos o sabiam
Não se importavam quem os vinha ver
E a velha teimava, e a velha dizia
Maria Bonita, onde vamos morrer