- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - - - -
As 5.440 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os
- - - - -
Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE *filósofo*
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Fado do cacilheiro

Paulo da Fonseca / Carlos Dias
Repertório de José Viana

Quando eu era rapazote
Levei comigo no bote... Uma varina atrevida
Manobrei e gostei dela
E lá me atraquei a ela... Pró resto da minha vida

Ás vezes, numa pessoa
A idade não perdoa... Faz bater o coração
Eu sinto grande vaidade
Em viver a mocidade.... Dentro desta geração

Sou marinheiro
Neste velho cacilheiro
Dedicado companheiro
Pequeno berço do povo
E navegando
A idade vai chegando
O cabelo branqueando
Mas o Tejo é sempre novo

Todos moram numa rua
A que chamam sempre sua... Mas eu cá, não os invejo
O meu bairro é sobre as águas
Que cantam as suas mágoas... E a minha rua é o Tejo

Certa noite de luar
Vinha eu a navegar... E de pé, junto da proa
Eu vi, ou então sonhei
Que os braços do Cristo Rei... Estavam a abraçar Lisboa