- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Retrato

Letra e música de Amadeu Diniz da Fonseca
Repertório de António Pinto Basto


Telefonei-te manhã cedo, ao acordar
E perguntei-te se tu querias ir jantar
Como disseste “tudo bem” eu lá estarei
Todo contente, nessa manhã ali fiquei

No almoço eu não esqueço, mal comi
Até nem sei se o paguei ou me esqueci
Durante a tarde trabalhei com mais vontade
Para que o tempo escondesse a ansiedade

Depois andei pelas ruas da cidade
Por uma hora, respirando o movimento
Pensei mais uma vez, quanto valia a saudade
Do teu olhar, da tua voz, de um só momento

E fui a casa p’ra escolher o melhor fato
Parecia até que eu ia tirar um retrato
Por breve instante falei comigo, ao saír;
E se ela acaba, afinal, por desistir?

E fui a casa p’ra vestir o melhor fato
Parecia até que eu ia tirar um retrato
E quando eu enfim te vi, fiquei então seguro
Que tinha no teu sorriso, o meu futuro