- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.107.500 VISITAS /*/ ABRIL 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa >

Velha cantiga

Francisco Branco Rodrigues / Manuel Figueiredo
Repertório de Vicente da Câmara

Quando ao meu peito encostada
Seguro a minha guitarra
Faço tal qual a cigarra
Canto cantigas, mais nada
O nosso fado que dizem ser fatalista
Nele tenho devoção, sou fadista
E canto com o coração

Ó minha velha cantiga
Por seres expressão muito antiga
Corres veloz como o vento;
Quem te cantar a rigor
Vai descobrindo que o fado
Bem cantado no Menor
Toca fundo o sentimento

Sempre que sais da garganta
De quem te canta a preceito
Fazes penetrar no peito
Um sentimento que encanta
Cantas a dor, a alegria, a paixão
Por isso és, concerteza, com razão
Bem da gente portuguesa

Quantas vezes és bizarra
Velha cantiga altaneira
Mesmo assim tu és bandeira
Que tem por lança a guitarra
Porque te sinto
Só por isso és cantado com raça e com prazer
Bem timbrado toda a vida até morrer