- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Velha cantiga

Francisco Branco Rodrigues / Manuel Figueiredo
Repertório de Vicente da Câmara

Quando ao meu peito encostada
Seguro a minha guitarra
Faço tal qual a cigarra
Canto cantigas, mais nada
O nosso fado que dizem ser fatalista
Nele tenho devoção, sou fadista
E canto com o coração

Ó minha velha cantiga
Por seres expressão muito antiga
Corres veloz como o vento;
Quem te cantar a rigor
Vai descobrindo que o fado
Bem cantado no Menor
Toca fundo o sentimento

Sempre que sais da garganta
De quem te canta a preceito
Fazes penetrar no peito
Um sentimento que encanta
Cantas a dor, a alegria, a paixão
Por isso és, concerteza, com razão
Bem da gente portuguesa

Quantas vezes és bizarra
Velha cantiga altaneira
Mesmo assim tu és bandeira
Que tem por lança a guitarra
Porque te sinto
Só por isso és cantado com raça e com prazer
Bem timbrado toda a vida até morrer