As 5.180 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Serás sempre Lisboa

Letra e musica de Mafalda Arnauth
Repertório de Mafalda Arnauth

Tens sempre na ponta da língua resposta p’ra tudo com teu ar certeiro
Tens esse grito que ecoa e nunca magoa, porque é verdadeiro
Tens nas varinas a raça e no gingar a pinaça
Pois pode o tempo passar, serás sempre Lisboa

Ai, Lisboa... ai, tão bela
Tens a Graça por janela
De onde vejo o quanto tenho para amar

E vou correndo até ao rio, pelo caminho beijo a Sé
Chego a Alfama em desvario, porque é maior a minha fé
E canto, canto, canto
Ao fado, a Lisboa, à minha vida

Tens esse jeito dos simples que à hora da janta cabe sempre mais um
E abres os braços aos outros dizendo “são loucos” não é favor nenhum
E até das brigas de amor dizes que são o calor
Que te alimenta o sentir, que te faz ser Lisboa

Ai, Lisboa.. ai, tão bela
Tens a Graça por janela
Que aos amantes dá motivo p’ra sonhar

Talvez a marcha já não passe e a boémia está esquecida
E haja mesmo quem arraste esta Lisboa qual vencida
E eu canto, canto, canto
Ao fado, a Lisboa, à minha vida