As 5.205 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Sol da Ribeira

Letra e musica de Carlos Alberto França

Repertório de Rodrigo

Letra original extraida do disco do autor

 

Tinta verde ou amarela / Tinta azul ou encarnada

Cada barco, uma aguarela / Sobre madeira pintada


Gaivotas em movimento / Sobre cada embarcação
Com bom tempo ou com mau tempo / Pés descalços pelo chão

Acabou a madrugada / Outro dia vai nascer
Está a lota começada / P’ra comprar e p’ra vender

Passou a noite ao relento / No seu bote o Tio João
Tanto frio e tanto vento / P’ra tão pouco camarão

Gosto do sol da Ribeira
E das varinas da rampa
De cozinhar na traineira
Numa panela sem tampa
Neste doce balançar
Levo a vida como posso
Como sou homem do mar
Aqui mesmo é que eu almoço

Embrulhada no seu manto / Vai a Ti Ana apressada
Andam uns a correr tanto / E outros não fazem nada

Está o peixe a p’ra gelar / O frio até faz tremer
Coragem p’ra começar / Um bagaço p’ra aquecer

Frente ao Tejo estão sentadas / Quando não há que fazer
As mais velhotas, coitadas / Entretêm-se a maldizer

Gente boa, boa gente / Não há melhor, eu aposto
Vivo no meu ambiente... É desta gente que eu gosto