- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.515 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Não basta chamar irmão

Aníbal Nazaré / Popular *fado menor*
Repertório de Max

Não basta chamar irmão
Ao homem pobre que passa
As palavras soam bem
Mas pouco são p'rá desgraça

Não basta chamar irmão / Dizer que somos iguais
Não basta estender a mão / Ele precisa muito mais

Há quem estenda a mão num gesto / De protesto ou simpatia
Mas é bem fraco o protesto / Quando essa mão está vazia

As palavras de carinho / São belas e sabem bem
Dão coragem p’ró caminho / Mas não sustentam ninguém

Por isso, aos pobres que encontrem / Não basta estender a mão
É pouco só dar palavras / Quando eles precisam de pão