- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Propagandista

Neca Rafael / Fado da Foz
Repertório de Neca Rafael


Armei em propagandista
Com ervas e cascas d'alhos
Intoxiquei muita gente
Foi o cabo dos trabalhos:

Envenenei um ror de gente
Foi o cabo dos trabalhos

Armei os meus aparatos / E comecei por dizer
Ora o chá que vos vou vender / Tira nódoas, mata ratos
Limpa o fogão, cola pratos / Dá ouvido, limpa a vista
Evita de ir ao calista / Nevralgias, congestões
E como os mais aldrabões

Armei em propagandista

Dor siática, bronquite / Cura as feridas mais profundas
Faz endireitar os corcundas / Também abre o apetite
Cura a asma, a meningite / E dispensa os agasalhos
Esfrega, branqueia soalhos / Põe a voz nítida a um rouco
Eu já fiz ouvir um mouco
Com ervas e cascas d'alhos

Mata baratas, formigas / Tira as dores do cotovelo
Limpa, conserva o cabelo / É contra o tifo e bexigas
Faz expulsar as lombrigas / Tira o micróbio do dente
Faz aniz, licor, aguardente / Faz pomada pró calçado
E com este preparado
Intoxiquei muita gente

E com este preparado
Envenenei um ror de gente

Com este chá abençoado / Que desenvolve um raquítico
P'ra dar cura a um paralítico / Eu fui um dia chamado
Depois de bem friccionado / O homem *coitadinho* correu atalhos
daqui do Porto aos Carvalhos / A deitar um pó prá caspa
Morreu a dançar a raspa
Foi o cabo dos trabalhos