- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A terra certa

Letra e música de Carlos Leitão
Repertório do autor com participação de Lia Gama

A terra certa trata por tu a saudade
Entrega-se à liberdade
De ser dia e noite a sós

A terra certa sabe a sonho
Sabe a morte e canta o fim
Como se o canto dessa voz que mais me aperta
Fosse a alma a querer ser Deus dentro de mim

O céu já quer ser meu a esta hora
Castiga-me a traição mais inclemente
Já não és terra forte e não tens gente
Dizes que vais parar, mas não agora;
Agora que és só terra sem semente
Desprezas a saudade e vais embora

Texto declamado por Lia Gama
Hoje… ainda longe do destino
O sol das lágrimas tristes deixa-me só neste cais
Hoje… aquilo que foi céu é só cinzento
Que dói tanto mar adentro
E diz que já não existes, que não voltas nunca mais.

Hoje… mais perto de mim
Há um sussurro eloquente duma sereia inventada
Hoje… quero ser apenas triste, imaginar que não partiste
E que Lisboa é diferente, apenas triste e mais nada.

Este rio que quer ser foz já não é meu
Duer ser só solidão, sem nos dizer
Eagora que Lisboa se perdeu
Também o céu que quis ser teu já uqer morrer

Já não é terra forte e não tens gente
Deixa-me ser só eu à despedida
Pois só assim tu vais parar
E eu vou-me embora