As 5.180 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Domingo de Agosto

Carlos Conde / Popular *fado corrido*
Repertório de Rodrigo

Nesse domingo de Agosto
Foi linda a espera de gado
Desde manhã ao sol posto
Houve alma, toiros e fado

Não havia traquitana / Que não estivesse enfeitada
E via-se engalanada / Toa a praça de Sant’Ana;
Gente alegre, gentelhana / Trajando com raro gosto
Cumpria bem o seu posto / De toureiros e fadistas
Que lindo rancho de artistas / Nesse domingo de Agosto

Descantes e guitarradas / Se ouviram de manhãzinha
Gente a ver se o gado vinha / Os campinos e as montadas;
Fizeram-se desgarradas / Com encanto e com agrado
Era já manhã, sol nado / Quando o gado entrou na praça
Que encantamento, que graça /
Foi linda a espera de gado

Toirada, vida, emoção / Encantamento e prazer
Muitas palmas, sensação / Lide, nobreza a valer;
Era tanta a sedução / Do povo bem predisposto
Que se via em cada rosto / A alegria manifesta
Foi um domingo de festa /
Desde manhã ao sol posto

Á tarde encheram-se as hortas / Das mesmas gentes bizarras
E só se ouviam guitarras / Nas tascas fora de portas;
Só alta noite, horas mortas / Após o terço vibrado
Saíu o povo encantado / Ébrio de imensa alegria
Só porque naquele dia / Houve alma, toiros e fado