- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estrela cadente

Mário Raínho / Alfredo Duarte *fado versículo* 
Repertório de Manuel Barbosa

Vês essa estrela cadente / a perder céu
Num voo vertiginoso / a mergulhar
Como um pássaro demente / que desceu
Num golpe d’asa, nervoso / até ao mar

Grita o desejo fechado / no teu peito
À estrela que se faz chama / em céu aberto
Em amor não há pecado / ou preconceito
Pois amor, quando se ama / o céu está perto

Poisa em teu olhar d’espanto / toda a calma
Nesta noite onde, despido / te festejo
Depois solta, dum recanto / da tua alma
Teu segredo proibido / teu desejo

Assim livres, neste espaço / nesta entrega
Da certeza do amanhã / como é preciso
Enleados num abraço / quem nos nega
Anunciadas manhãs / do paraíso