- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.170 LETRAS PUBLICADAS // 1.930.000 VISITAS // OUTUBRO 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que nao constam do índice.

Caso encontre alguma avise-me, por favor.

Se não encontra o Fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

Lisboa casta princesa

Armando Leal / Raúl Ferrão
Repertório de Tony de Matos 
Este tema foi gravado por Carlos do Carmo com o título *Sete colnas*

Lisboa, casta princesa
Que o manto da realeza / Cobre com pejo num casto beijo
Lisboa, tão linda és
Que tens de rastos aos pés / A majestade do Tejo


Lisboa das descobertas
De tantas terras desertas / Que deram brado no teu passado
De Lisboa tens a coroa
Velha Lisboa da Madragoa / Quantos heróis tens criado

Sete colinas são teu colo de cetim
Onde as casas são boninas 

Espalhadas em jardim
E no teu seio, certo dia, foi gerado
E cantado pelo povo sonhador

O nosso fado

Lisboa, tardes doiradas
Dos domingos, das toiradas / Onde luzia a fidalguia
Em que esse povo valente
Mostrava que havia gente / A quem a morte sorria

Lisboa, terra de fama
Tens a beleza de Alfama / E a poesia da Mouraria
E nos teus velhos recantos
Eu sei lá quantos, tu tens d'encantos / Do povo e da valentia