- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.575 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Ao poeta perguntei

Alberto Janes
Repertório de Amália

Ao poeta perguntei
Como é que os versos assim aparecem
Disse-me só: eu cá não sei
São coisas que me acontecem;
Sei que nos versos que fiz
Vivem motivos dos mais diversos
Mas também sei que sendo feliz
Não saberia fazer os versos

Ó meu amigo, não penses que a poesia
É só a caligrafia no perfeito alinhamento;
As rimas são asim como um coração
Em que cada pulsação nos recorda sofrimento;
E nos meus versos podem não haver medida
Mas o que há sempre, são coisas da própria vida

Fiz versos como faz dia
A luz do sol sempre ao nascer
Eu fiz os versos, porque os fazia
Sem me lembrar de os fazer;
Como a expressão e o jeito
Que p'ra cantar se vai dando á voz
Todos os versos andam já feitos
De brincadeira, dentro de nós

E assim amigo, já viste que a poesia
Não é só caligrafia... são coisas do sentimento