- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.395 LETRAS <> 2.460.000 VISITAS <> ABRIL 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Galgo de corrida

Maria Manuel Cid / Joaquim Campos *fado rosita*
Repertório de António Melo Correia
Título original: Ao meu galgo de corrida
Livro *Poetas do Fado Tradicional
De Daniel Gouveia e Francisco Mendes

Ao meu galgo de corrida
Quando morrer vou deixar
A trela que toda a vida
Lhe custou a suportar

O velho cesto de vime / Onde guardei a coleira
O Maioral que o arrime / À chama duma fogueira

E do canil, o portão / Que mandei aferrolhar
Ordeno ao meu Abegão / Que o abra de par em par

A vara que sempre pus / Por respeito, à cabeceira
Partida fará a cruz / Do meu caixão de madeira

E se for ,na realidade / Esta vontade cumprida
Ganhará a liberdade / O meu galgo de corrida