- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

História mal contada

Tiago Torres da Silva / Carlos Barreto
Repertório de Sandra Correia

Ainda assim, porque tu existes
Mesmo os dias tristes terão alegria
Ainda assim, só porque te adoro
Até o que choro me faz companhia

Ainda assim, porque te amo tanto
Quando me levanto, sei que tu sorris
Se tu p’ra mim és mais do que um Deus
Até dizer-te adeus me deixa feliz

Entre nós, uma estrada tão comprida
Entre nós, uma história mal contada
Mas tu és o amor da minha vida
Entre nós há tão pouco
Há tão pouco ou quase nada
Entre nós, uma jura não cumprida
Entre nós uma dor desperdiçada
O amor nunca quer contrapartida
E eu sei que posso amar
Amar sem ser amada

Ainda assim, sei que há um momento
Em que eu só te invento se falar de mim
Ainda assim, quando digo não
Sei que o coração só vai dizer sim

Ainda assim, porque te desejo
Invento o teu beijo nesta boca nua
Se tu p’ra mim, és mais do que a vida
Até na despedida hei-de ser só tua