- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quem diria

Letra e música de José Rebola
Repertório de Kátia Guerreiro c/ José Mário Branco

Se o meu destino eu soubesse / Encontrar sem GPS
Não te tinha perguntado / Pra que lado, pra que lado?
E tu respondeste afoito /  Quer almoço e cama feita?
Não procure muito mais / Mas nunca vire à direita

E eu ali a olhar sozinha / À procura do caminho
Com as buzinas já tão perto / E o semáforo aberto
Ó senhor fale-me a sério / Não está a ver que me atrasa
Mais a sério não podia / Fique já em minha casa

Quem diria, quem diria
Num acaso tão bicudo
Só por te encontrar a ti
Já tinha encontrado tudo
Quem diria, quem diria
Que ao levar-te pr’onde vais
Estacionava ali o carro
E não lhe mexia mais

Quem diria, quem diria
Que à espera que a fila andasse
Eu não encontrava nada
Se eu a ti não perguntasse
Quem diria, quem diria
Que ao dizeres-me para onde ia
Eu deixava ali o carro
E nunca mais não lhe mexia

Apanhada de surpresa / Co’a chave a fazer faísca
Com o carro da empresa / Nem sabia onde era o pisca
E tu num gesto certeiro / De super-herói sem capa
Estendeste a mão p’la janela / Rasgaste-me ali o mapa

Oiça lá ó meu amigo / Só sei que engracei consigo
Se o senhor não sente o mesmo / Eu também não o obrigo
Faz favor de decidir / Não se arrependa depois
Ou se vai daqui embora / Ou vamos daqui os dois