- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O remédio

Neca Rafael / Paulino Garcia
Repertório de Neca Rafael

De velhinhos havia um casal
Que viviam com um filho lá na herdade
Um dia, leram em certo jornal
Remédio p’ra diminuir à idade

O filho foi o mundo viajar
Procurando melhor felicidade
E os velhotes foram logo os dois comprar
O remédio que lhes tirava a idade

O médico, sem transtorno ou empenos
Explicou a invenção tão afamada
Cada colher, tereis um ano a menos
E o frasco deve ter meia canada

Tomaram cada qual sua colher
Em casa fizeram um grande bodo
Mas o velho às escondidas da mulher
Chamou à pá do bucho o frasco todo

Deitaram-se e a mulher ouvia às vezes
Chorar uma criança em sua cama
Era o homem, que já tinha só 3 meses
E chorava p’ra que alguém lhe desse mama

Era talvez um ano decorrido
E o filho de regresso à terra vem
Entrou em casa e ficou surpreendido
Ao ver o seu pai ao colo da mãe

Diz a mãe, ao ver pasmado o filho seu;
Olha filho, o teu pai que mete dó
Se tomasse a colher que tomei eu
Voltavas p’ro bucho da tua avó