As 5.205 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


História do Simão

António Tavares Teles / João Braga
Repertório de João Braga

Num beco da ribeira, junto ao rio 
A chuva miudinha, ancestral
Num restaurante antigo, agora aberto

Camilo escreve um artigo de jornal
Enquanto aguarda um tipo pró bater
Vai ao Majestic muito queque
O Gomes marca um golo divinal

Fintando o guarda-redes e o beque

E um fadista numa tasca ali ao pé
Canta a história do Simão

Do amor de perdição
Que é aquilo que o Porto é


A Gaia tão inglesa chega o vinho

Rabelo, do Pinhão para o estrangeiro
Pedroto vai ás Antas e a caminho

Saúda D. Afonso, o rei primeiro
Que em busca de Lisboa, do amor

De uma maometana, passa o Freixo
Enquanto com o Eça, o Ramalho

Come um par de filetes no Aleixo

O Porto de um poema do Eugénio

De Andrade, tão sentido pelo Tê
Do Douro, das barcaças, dos franceses

Da ponte D.Luiz que o Eiffel fez
Enquanto conversava com o Oliveira

Manuel, não com u mas com um ó
O Benfica perdia no Salgueiros e

E ele filmava o Aniki e o Bobó

Num beco da Ribeira, junto ao rio 

A chuva miudinha, ancestral
Num restaurante antigo, agora aberto

Transcrevo este retrato original
Ditado por Camilo a Ana Plácido

Do fundo do cárcere ignominioso
Com letra dum poeta marginal 

E música do Braga ou do Veloso