- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.585 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Maldito fado

Pedro Bandeira / Alvaro leal / Raúl Ferrão
Repertório de Fernanda Maria

Ele era um bom rapaz, trabalhador
Um operário leal, cumprindo o bem
Vinte anos de ilusões brotando em flor
E uma eterna afeição por sua mãe

Mas um dia fatal, os companheiros
Levaram-no à taberna onde parava
A malta dos vadios e desordeiros
Dos quais um à guitarra assim cantava

Um fadinho a soluçar
Faz de nós afugentar / A ideia da própria morte
Mata a dor, mata a tristeza
O fado é bendita reza / Dos desgraçados sem sorte
Tem tal dor e mágoa tanta
Quando canta uma garganta / De quem vive amargurado
Que o refúgio preferido
P’ra quem viver dolorido / Está na doçura do fado

Esta triste canção foi mau agoiro
Que a vida lhe viesse transtornar
Tomou gosto à taberna, o matadoiro
E em breve, deixou de trabalhar

Uma ideia tenaz e doentia
Trazia-lhe a cabeça transtornada
Chorar, fazia a mãe, quando o ouvia
Já ébrio, ao regressar de madrugada