- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A verdade

Diogo Clemente / Lino Bernardo Teixeira *fado ginguinha*
Repertório de Miguel Ramos

Percorro antigas avenidas da cidade
Como um mendigo sem sentido nem guarida
Tantos caminhos percorri na minha vida
Para acabar na velha rua da saudade

Já estive aqui, na ingratidão desta incerteza
Deixando à sorte a ilusão de liberdade
Quando se está, como eu, perdido na cidade
Não há viela que nos tire da tristeza

Se por acaso me encontrares na tua rua
Não penses nada que me faça má presença
Nem sequer penses que seria culpa tua
Se o meu destino decidisse tal sentença

É nessa rua a minha casa, na verdade
Sentes na cama o vazio onde pertenço
Porém, enquanto não te entregas ao bom senso
Termino assim, só e perdido na cidade