As 5.205 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Novo fado alegre

Ary dos Santos / Fernando Tordo
Repertório de Carlos do Carmo

Amigo... abre também a tua voz e vem comigo
Não cantaremos nunca mais o fado antigo
Agora... em cada verso há um homem que não chora
E o futuro é o sítio onde se mora

Cantar é ser um pássaro de esperança
Poisado no olhar duma criança
Que de olhar nunca se cansa

Amigo... vou-te dizer palavras loiras como o trigo
Hoje cantar é aprender a estar contigo
Agora... cada palavra tem o gosto duma amora
Que a gente apanha e morde pela vida fora

Cantar é ter um sol dentro da voz
E repartir o sol por todos nós
Cantar é não estarmos sós

Amigo... vou-te bater com as palavras ao postigo
Escuta o sentido das noticias que te digo
Agora... cada canção terá a força duma aurora
Que a gente acende e leva pela vida fora

Cantar é ser um pássaro de esperança
Poisado no olhar duma criança
Que de olhar nunca se cansa

Amigo... não tenhas medo do cansaço ou do castigo
A nossa voz dá-nos calor, dá-nos abrigo
A hora... é de mandarmos a saudade e o choro embora
E noutro fado desgarrarmos vida fora