- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.590 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Mors-amor

Antero de Quental / Jorge Fernando
Repertório de Jorge Fernando

Esse negro corcel, cujas passadas
Escuto em sonhos quando a sombra desce
E, passando o galope me aparece
Da noite, nas fantásticas estradas

Donde vem ele?
Que regiões sagradas e terríveis cruzou
Que assim parece
Tenebroso e sublime, e lhe estremece
Não sei que horror nas crinas agitadas

Um cavaleiro de expressão potente
Formidável, mas plácido no porte
Vestido de armadura refulgente
Cavalga a fera estranha sem temor
E o coral negro diz:
Eu sou a morte!
Responde o cavaleiro:
Eu sou amor!