- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Falando de amor

Domingos Gonçalves da Costa / Popular *fado mouraria*
Repertório de Alice Maria

No amor, eu não m’iludo
Lembra-me a flor delicada
Nasce por nada e por tudo
Morre por tudo e por nada

Nasce às vezes dum queixume / Da simples troca do olhar
O amor, estranho raiar / Da quimera e do ciúme

Põe nas almas, gelo ou lume / Paz ou sina malfadada
Mel que uma abelha doirada / Põe nos lábios de veludo
No amor, eu não m’iludo
Lembra-me a flor delicada

Não sei quem teve a ventura / De o fazer cruel assim
Se foi Deus, fez, quanto a mim / A mais sublime tortura

Amor é sonho é loucura / É luz de meiga alvorada
A flor imaculada / Que exposta ao destino mudo
Nasce por nada e por tudo
Morre por tudo e por nada