- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.650 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Não sei como nem quando

José Vasconcelos e Sá / Tó Zé Brito
Repertório de António Pinto Basto

Confesso que as palavras dessa boca
Ó que doçura tão louca
No momento em que as ouvi
O amor com que as odeio
Faz-me tremer com receio
Por muito gostar de ti

Confesso, olhaste de uma maneira
E por mais que eu não querira
Ó minha flor de jardim
Teus olhos, a vida inteira
Nossa estima verdadeira
Hão-de viver sempre em mim

Confesso, meus versos canto chorando
Eu não sei como nem quando o teu sorriso acabou
Sinto lágrimas no rosto
Também memórias, desgosto que nem a morte apagou