- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Bailinho à portuguesa

Letra e musica de Alberto Janes
Repertório de Mariza 


Num bailinho à portuguesa 
Com o harmónio, o zambuba, mais os pratos
Tem de se ter a certeza 

De ter atado os sapatos 

Se o mestre manda virar
Todo o rancho num só pé logo girou
E sem dizer nada ao par

Quando um vira, outro virou 

Vai de roda agora
Cada qual com o seu par
Ai que vai pela porta fora
Ai quem vier p'ra namorar
Cada um c'oa sua
Que ninguém me troque o passo
Ai que vai p'ro olho da rua
Quem falte aqui ao compasso 


Há alegria e respeito 
Nos bailinhos cá das nossas romarias
Parte-se cara ao sujeito 

Que pensar em avarias 

Às vezes o mestre apita 
Para chamar a atenção cá dos rapazes
E há um tipo a quem grita:

Ó Chico... olha o que fazes