- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vai mais um dia

Pinto Jorge / Paulo de Carvalho
Repertório de Luísa Basto


Às seis o salto da cama e o puto a resmungar
São dez minutos prá mama e a bucha por arrumar
Sai tudo à rua na guita, vai tudo a andar na ganga
No barco há um que arma fita, na volta ninguém se zanga

Um jeitinho no transporte e o puto fica na ama
Só nos faltava esta sorte, o metro ainda nos trama
Um beijo dado apressado, adeus ao virar da esquina
Num fato mais que coçado, a mulher ‘inda menina

Vai mais um dia de trabalho
Em qualquer lado
Vai mais um dia de trabalho
Pelo pão
Mas qualquer dia no trabalho
Ao nosso lado
Há-de ser dia de acabar
O dia não
Sabemos que ainda um dia
Hão-de ver quem tem razão


Lá vão quinhentos pró passe das viagens que fazemos
E não há ninguém que cace as paragens que perdemos
O puto vem a tossir das friagens que apanhou
A mulher vai a dormir p’las vezes que hoje acordou

À volta é gente da volta do trabalho que fizemos
E pensar que andam à solta os males de que sofremos
Vai mais um dia passado, se é que essde dia passou
Talvez eu ande enganada, o dia não acabou