- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Gaivota das Trinas

António Vilar da Costa / Amadeu Ramin
Versão do repertório de Américo Dias
-
Criação de Lourenço de Oliveira
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*
-

De manhãzinha passa prá Ribeira
Xaile p’los ombros, canastrinha ao lado
Lá vai gaiata, como vai ligeira
Airosa e fresca trauteando um fado

Chega a fragata, brinca com o arrais
Descalça as chinelas, entra no convés
E já na volta, de regresso ao cais
O próprio Tejo vem beijar-lhe os pés

Maria da Graça
És a graça das varinas
Gaivota das Trinas
Que na Ribeira esvoaça
Os teus amores
Na “lota” já se apregoa
Ccuidado com as intrigas
E tu não vás nas cantigas
Do Chico da Madragoa

Se eu possuísse colossal tesouro
Ou se acaso fosse poderoso e rico
Dava-te airosa canastrinha de oiro
Ai que ciúmeseu faria ao Chico

E a canastrinha que anda aí à toa
Tinha outra graça, linda peixeirinha
E entre as varinas lá da Madragoa
Tu tinhas um trono, eras a Rainha
- - -
- - 
-
Versão original

De madrugada passa p’rá Ribeira
Xaile p’los ombros, canastrinha ao lado
Vai para a “lota”, como vai ligeira
Risonha e fresca trauteando um fado

Chega a fragata, brinca com o arrais
Tira as chinelas, entra no convés
E já na volta, de regresso ao cais
O próprio Tejo vem beijar-lhe os pés

Maria da Graça
És a graça das varinas
Gaivota das Trinas
Que na Ribeira esvoaça
Dos seus amores
Na “lota” já se apregoa
Cautela com as intrigas
E tu não vás nas cantigas
Do Chico da Madragoa


Se eu possuísse colossal tesouro
Se acaso fosse poderoso e rico
Dava-te airosa canastrinha de oiro 
Ai que ciúmes não faria ao Chico 

A canastrinha que seria a c’roa
Da tua graça, linda peixeirinha
De entre as varinas lá da Madragoa
Tinhas um trono e eras a Rainha