- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Perguntas ao vento

Carlos Baleia / Fernando Silva
Repertório de Jorge Batista da Silva


Que mistério havia em teu olhar
Que fez mudar o mundo em meu redor
Que segredos trazias no andar
Que pacto tinhas tu com o amor;
São perguntas que, louco, faço ao vento
Que não cuida de mim nem um momento

Suspenso no sorriso que me dás
Surpresa que na noite me ilumina
Eu sinto que no teu sorrir fugaz
Há todo um poder que me domina;
E me arrasta na sombra que se afasta
Numa caminhada inútil e madrasta

Meu amor, teu rosto de passagem
Qual invasor cruel e abusivo
Deixou em mim o padrão dessa viagem
Que me deu o pesar em que ora vivo;
Castigo de um amar em sofrimento
Na esperança que me dês contentamento