- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Fadário do meu corpo

Nel Garcia / Fernando Tordo *meu corpo*
Repertório de Zé Carvalho

Meu corpo, nascido e criado no Porto
Podia ter sido um aborto, não foi
Meu corpo, com esta cabeça de esperto
Não é camelo do deserto, já foi

Teus olhos, são memórias de agonia
Das praias com porcaria, que eu vejo
Meus olhos são apenas um tesouro
Quando fito o Rio Douro, e o Tejo


Quando partes de casa, nunca levas
A mala toda partida
E as amarras que me pões
Não vou ficar pr'aqui, assim anjinho
Vou escacar-te o focinho
Vai chatear o Camões

Não sei, se é orgulho que tu tens
Quando p'ra casa não vens, que giro
Mas sei que és pior que uma cobra
Se voltares co'a minha sogra, dou-vos um tiro

Sózinho, no meu maple tão fofinho
Sem o respirar do teu focinho, no meu
Se ouvires um bombo e uns ferrinhos
A tocar os passarinhos, sou eu

Sou eu de cabelo escangalhado
Todo frick e já pedrado, sou eu
Sou eu, na raíz do folclore
No rock sou o maior, ó meu!