- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Poemas canhotos

Herberto Hélder / António Vitorino d’Almeida
Repertório de Carlos do Carmo


Estes poemas que chegam 
Do meio da escuridão
De que ficamos incertos 
Se têm autor ou não
Poemas às vezes perto 
Da nossa própria razão
Que nos podem fazer ver 
O dentro da nossa morte

As forças fora de nós / E a matéria da voz
Fabricada no mais fundo / De outro silêncio do mundo
Que serão eles senão / Uma imensidão de voz
Que vem da terra calada / Do lado da solidão

Estes poemas que avançam / No meio da escuridão
Até não serem mais nada / Que lápis, papel e mão
E esta tremenda atenção, este nada

Uma cegueira que apago / A luz por trás de outra mão
Tudo o que acende e me apaga / Alumiação de mais nada
Que a mão parada

Alumiação então / De que esta mão me conduz
Por descaminhos de luz / Ao centro da escuridão
Que é fácil a rima em Ão / Difícil é ver-se a luz
Rima ou não rima co’a mão