- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

A rua do desencontro

Jerónimo Bragança / Nóbrega e Sousa
Repertório de Estela Alves 

Alguém me encontrou, alguém me perdeu
Na rua do desencontro
Nem eu me encontro / Já não sou eu

Perdida por ti, perdida de ti
Sou isto que sou agora
Deitem-me fora, vou por aí

Meu rasto no chão traz sonhos perdidos
Nos braços caídos
Não há sequer uma ilusão

Alguém me encontrou, alguém me perdeu
No mundo do desengano
O teu engano também foi meu

Amada por ti, beijada por ti
Sou isto que sou agora
Não houve aurora quando nasci

Só tenho de meu os restos de nada
Na boca rasgada nem o sabor dum beijo teu
Pois quem me encontrou
Também me perdeu