- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Converso à noite com o vento

Alberto Franco / Frederico de Brito *fado azenha*
Repertório de Raquel Maria

Converso à noite com o vento
Dou às sombras o lamento
Do amor que não tivemos
Nosso destino é igual
Ao de um barco no canal
Que não tem velas nem remos

Olhos de azul e lonjura
Fiz da lava sepultura / Das ilusões que perdi
Sou anel deitado ao mar
Açor que não quis voar / Para chegar junto a ti

Mistério que a ilha invade
Teia que prende a vontade / E nos leva de vencida
Eu amei e fui amada
Por que me fiz condenada / Ao desencanto da vida?

Quando a morte traiçoeira
Rondar pela minha beira / E disparar o arpão
Hei de voltar numa onda
Dançar na festa redonda / Da nossa libertação