- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Mau sonho

Neca Rafael / Marcírio Ferreira
Repertório de Neca Rafael 

Que lindo sonho eu tive, mas que sonho
Quando dele me lembro faz-me rir
Ai que sonho tão medonho que suponho
Que ainda estou a sonhar, estou a dormir

Eu sonhei que era porco, um porco belo
Gorducho, rechonchudo, era um primor
Pois só dormia e comia bom farelo
E o meu dono era um lavrador

Um lavrador ricaço que a capricho
Me punha sempre cheia a minha pança
Mas um dia me diz: tem paciência, anda cá bicho
Porque chegou a hora da matança

Amarrou-me uma corda e eu a roncar
Deitado sobre um banco, só num grito
Vem um com uma faca e um alguidar
Nessa altura acordei muito aflito

Mal tinha despertado vi então
Muito agarrado a mim, o merceeiro
Nervoso, fazendo esta exclamação;
Só te cacei a dormir meu caloteiro

Estava a sonhar que era porco; lhe disse eu
E uma linda historinha lhe puz pronta
Que ele ouviu-a e também adormeceu
E sonhou que eu já lhe tinha pago a conta