- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Aquela velha mulher da Mouraria

João Ferreira Rosa / Casimiro Ramos *fado alberto*
Repertório de João Braga 
Este tema foi gravado pelo autor com o título *Fado Lisboa*

Aquela velha mulher da Mouraria
Que triste, pede esmola e canta o fado
Baixinho sem saber quanto me feria
Ouvi-la ter saudades do passado

É tão mais triste o fado dessa gente
Que a miséria da vida conheceu
Tratei-a por senhora, reverente
Em frente à dor do fado que é o seu

Estas visões das ruas de Lisboa
Que é tão bela, é tão pobre e foi tão nobre
Que tem uma canção que nos magoa
E toda uma saudade que não morre

É triste por te amar ter de sofrer
A tristeza que sinto por te olhar
Lisboa minha terra por esquecer
E que um dia, de novo, há-de acordar