- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado ao sabor da sorte

Letra e musica de Valentim Filipe
Reportório do grupo Al Mouraria


Fado, fado vida, fado ardente
Fado novo que se sente
Nas cordas duma emoção;
Fado, fado sina de mulher
Que seja o que Deus quiser
Na mágoa duma canção

Fado de amor e de dor, doce canto de saudade
Dois amores, vinho tinto entornado em liberdade

Fado triste, fado louco, que façam pouco, é o destino
Fado incerto de um poema rasgado num desatino

Fado antigo, fado amigo
Fado corrido ou vadio
Fado que nasce no peito como a nascente de um rio
Fado vida, fado morte
Fado de ser ou não ser
Quem anda ao sabor da sorte tem de aprender a viver

E quando é já madrugada / O fado toca o destino
Na noite embriagada / O fado é outra vez menino