- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Há samba nas colinas de Lisboa

Paulo Abreu Lima / Mingo Rangel
Repertório de Carla Pires

Há samba nas colinas de Lisboa
Que lembram qualquer morro do Brasil
Ladeiras de varinas quase à toa
Com peixe na canastra e sonhos mil

Há fado com cheirinho a Madragoa
No Rio deste nosso carnaval
Baianas que desfilam pelo Chile
Das praças que confundem Portugal

Mistura de perfumes e compassos
Na senda das conquistas e bandeiras
Com pedras da calçada e dos abraços
Que fundem o limite das fronteiras

Há sonhos que trespassam o azul
No ventre que ressaca as bebedeiras
E nortes que derivam para o sul
No branco que deserta das trincheiras

Mulato este meu Rio de Lisboa
No ventre do teu Rio de Janeiro
É samba que renasce a Madragoa
No fado que se casa por inteiro