- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Num só verso

Francisco Moreira / João Martins *fado feitiço*
Repertório de Francisco Moreira *Kiko*

Se na vida as ambições são de alcançar
Quando por elas lutamos cegamente
Porque é que a alma nos força a querer amar
Quem da nossa vida está demais ausente?

Dois caminhos paralelos que se cruzam
Num feitiço de paixão cruel, malvado
Duas almas cegamente se recusam
A aceitar o seu destino tão pesado

E é no tempo do Outono, tristemente
Que o vento agreste soprando faz cair
Uma paixão tão fogaz, que de repente
Uma das almas penadas faz ruir

Nessas vidas em que outrora o Sol brilhava
Cai a chuva e é a força do Universo
Que transforma os tempos em que o amor reinava
Em dor, ansiedade e fado num só verso