- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu sou o fado

Paco Gonzalez / Raúl Ferrão *fado alcântara*
Repertório de Rosa de Jesus


Eu sou o fado, não se riam, é verdade
Aqui não há falsidade, eu vou contar
Na Mouraia, numa casinha perdida
Uma velhinha tão querida veio contar

Contou-me a dor de ter sido abandonada
E mais tarde desprezada, fugi dali
Amei sofri, beijos senti, beijos sem sorte
E até mesmo a própria morte a Deus pedi

Se nos versos que canto e que choro
Há lágrimas d’oiro de rara beleza
Também são, para aqueles que riem
A todo o momento, da minha tristeza
Se eu tivesse nascido impostora
Sem fé sem amor, seria adorada
Mas eu cá já nasci fatalista
Eu sou o fado, eu não sou fadista


Eu sou o fado, esse boémio que chora
E que anda p’la noite fora com a saudade
A voz que grita a dor do seu povo amante
Sem esquecer um instante, sua cidade

Sou o poeta das verdades mais amargas
E quem em mil noites de farra, nunca esqueceu
A Mouraria dessa casinha perdida
Uma velhinha tão querida que já morreu